O uso de drones na segurança corporativa

Cada vez mais comum nas estratégias de segurança, o uso de drone combinado com inteligência artificial pode fazer a diferença nos resultados.

Nos últimos anos, a área de segurança está, progressivamente, empregando recursos tecnológicos a fim de resolver vulnerabilidades e reduzir riscos. Grandes empresas têm encontrado nos drones uma opção de automação corporativa que traz resultados altamente assertivos.

Super câmeras, precisão de voo, motores potentes e sistemas computacionais: essas são algumas combinações que caracterizam um drone. Com sistemas cada vez mais refinados, o equipamento tem a capacidade de fazer a diferença no monitoramento de segurança de organizações.

Afinal, quais os principais benefícios no uso de drones para segurança?

A tecnologia dos drones não só permite uma cobertura de grandes e extensos espaços, mas, também, possibilita uma coleta de dados com precisão cirúrgica.

Com uma câmera acoplada, o equipamento sobrevoa o empreendimento e pode, inclusive, monitorar áreas de difícil acesso. Sua capacidade tecnológica pode identificar trechos vulneráveis, barreiras físicas danificadas, movimentações suspeitas e outros riscos patrimoniais.

Outro benefício de um drone quando utilizado na segurança é manter-se em alerta para captar monitoramentos clandestinos, também praticado por drones que podem invadir o espaço de uma organização.

Quais as vulnerabilidades no uso de drones?

Apesar de o Brasil já apresentar normas que permitam o uso corporativo de drones, ainda existem lacunas que deixam empresas interessadas receosas em adotar essa estratégia de segurança.

A legislação brasileira ainda não está contemplando todos os cenários e opções para a utilização da tecnologia. Em 2 de maio de 2017, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) aprovou o regulamento especial para a utilização de aeronaves não-tripuladas – Regulamento Brasileiro de Aviação Civil Especial – RBAC-E nº 94.

Outra questão a ser avaliada ao considerar a adoção de drones para a segurança corporativa é a necessidade de que o equipamento esteja registrado nos termos da lei, sendo necessária a fiscalização pelos órgãos competentes para que as regras sejam devidamente cumpridas. Além disso, é imprescindível que o drone seja pilotado por um profissional certificado.

Caso a utilização do equipamento não seja feita de acordo com a regulamentação, pode haver invasão de privacidade, de espaço aéreo restrito e riscos de acidente por má condução e queda do equipamento.

Em resumo: qual a recomendação?

O uso de drones é uma tendência de inovação no setor de segurança privada e já é uma realidade presente no setor da segurança pública. Não há dúvidas de que ele pode ser uma alternativa que reforça as demais estratégias em segurança.

Porém, é importante que a sua utilização seja amplamente analisada por especialistas e consultores na área de segurança e tecnologia. Somente uma equipe especializada pode considerar as formas de uso do equipamento e fazer a implementação da melhor estratégia para a captação de informações – sempre dentro das normas regulamentárias.

Ainda tem dúvidas sobre o uso de drones para a segurança corporativa? Escreva seu comentário que ajudaremos você!

Até breve!

Comentários do Post

Seja o Primeiro a Comentar!

avatar