A evolução e a história da espionagem

Com o avanço do tempo, as tecnologias ganharam ainda mais robustez e aprimoraram, também, a prática da espionagem.

Manobras a favor da espionagem existem há muito tempo; os esforços para a contraespionagem também. Ainda no século XVIII, a espionagem era quase que totalmente voltada para as forças de segurança internacionais, os segredos de estado e avanços tecnológicos a nível militar. Hoje, os mecanismos para escutas clandestinas, monitoria de ambiente e outras formas de coletar informação evoluíram e são produzidos em grande escala, cada vez mais focados nos segredos industriais e informações confidenciais do mercado corporativo em todo o mundo.

A espionagem em tempos de guerra

Desde as épocas mais antigas, onde as grandes guerras tomavam as nações, a espionagem sempre foi uma das estratégias utilizadas para identificar e, até mesmo, neutralizar ataques bélicos. Ela era uma grande arma, imprescindível para mapear territórios ocupados, investigar opositores e descobrir os próximos passos dos governos frente às batalhas.

Ainda que arcaicas, as técnicas de espionagem eram diversas. Durante a Primeira Guerra Mundial, as agências de inteligência dos países possuíam equipamentos com funcionalidades bastante restritas para os seus objetivos. Eram pesados, robustos e dificultavam a camuflagem. Quando se tratava de escuta ambiental e transmissão via rádio, então, os sinais codificados utilizados eram facilmente interceptados por conta dos antiquados mecanismos disponíveis.

Um dos equipamentos largamente utilizados neste período era o chamado Enigma, criado pelo engenheiro alemão Arthur Scherbius. Era uma máquina eletromecânica de criptografia com rotores, utilizada na Europa a partir dos anos 20. O equipamento ganhou grande popularidade ao ser adaptado e usado pelas forças militares alemãs, já que era fácil de ser operado e seu código era extremamente difícil de ser decifrado.

Máquina de criptografia Enigma. Fonte: TecMundo.

A espionagem nos dias de hoje

O passar do tempo trouxe consigo o advento da internet e de tecnologias eletrônicas muito bem desenvolvidas. Os avançados modelos de equipamentos usados nas práticas de espionagem e investigação agora estão presentes desde a captação de sinais de áudio, detecção de presença, imagem ou vídeo, até a interceptação de conversas nos mais variados dispositivos.

Sinais digitais criptografados via satélite, tecnologia infravermelha, sinais de radiofrequência acima da faixa de UHF, sonares e outros sensores fazem parte das armas das indústrias militares e, também, das técnicas das empresas que trabalham em prol da contraespionagem.

Se a espionagem enriqueceu suas táticas, as medidas de contraespionagem precisaram se equiparar às inovações tecnológicas para, assim, combaterem com efetividade as atividades fora da lei.

Nos bastidores dos poderes governamentais, a investigação segue sendo praticada como meio de preservação e de descoberta de informações que defendam seus interesses. Frente ao momento político vivido pelo Brasil, as descobertas de escândalos de corrupção também tiveram alguns de seus alicerces pautados nas modernas técnicas de investigação e espionagem disponíveis.

A proteção de dados é crucial para o sucesso de toda e qualquer organização. E a sua empresa, possui medidas de contraespionagem que derrubem mecanismos de investigação ilegais? Como você se protege da espionagem dos concorrentes? Entre em contato com os especialistas da ICTS Security para saber como o projeto de segurança da sua empresa pode ser complementado para se tornar ainda mais efetivo.

Comentários do Post

Seja o Primeiro a Comentar!

avatar